OMBRO E COTOVELO

Instabilidade do ombro

A causa mais comum de instabilidade do ombro é o trauma. Quando uma luxação ocorre, as estruturas de contenção da articulação são feridas. Esportes de contato como futebol e esqui alpino são as causas mais comuns de luxação do ombro e sua frequência é maior entre os jovens atletas. No entanto, os traumas “familiares”, tais como cair de escadas, de uma bicicleta ou a pé ao longo da calçada, podem ser o suficiente para deslocar um ombro. Além disso, algumas pessoas têm uma predisposição genética para a instabilidade do ombro. Finalmente, atividades repetitivas (jogar esportes e praticar natação) podem, gradualmente, esticar os ligamentos, resultando em instabilidade e consequente deslocamento.

Os atletas podem tomar medidas para evitar a instabilidade do ombro. Manter um bom manguito rotador e força em nível da escapula é importante para diminuir o risco de lesão nos ligamentos. Aprender técnicas corretas de arremesso são também importantes.

Quais são os sintomas?

O sintoma mais característico da instabilidade do ombro é uma sensação de que o ombro está prestes a sair do lugar ou que o ombro saltou para trás em seu soquete. Esta sensação pode ou não ser acompanhada de dor, mas é tipicamente desconfortável. Ocasionalmente, uma pessoa pode sentir dormência ou formigamento nas extremidades do membro afetado.



As vezes, a cabeça do úmero (bola da articulação) pode se separar completamente da cavidade glenóide da escápula (soquete) e como esta situação muitas vezes não volta espontaneamente ao estado normal, as manobras de relocação podem necessitar assistência médica. A separação dessas estruturas articulares é que definem o quadro de Luxação do Ombro, que se manifesta com dor severa, deformidade do ombro e sensação de paralisia do braço.

Como é o tratamento?

A articulação do ombro deve ser restabelecida de imediato. Prontamente após a lesão, deve-se a aplicar gelo e acomodar o ombro em uma tipóia, a fim de dar conforto ao paciente. Em uma pessoa jovem e atlética a chance de luxação é geralmente elevada e este risco diminui com a idade.

Muitas vezes, a instabilidade do ombro é sutil e exames repetidos são necessários para estabelecer-se e confirmar-se o diagnóstico. É particularmente importante para o médico examinar o ombro e associar esse exame clínico com os de imagem para tomar a decisão acertada em relação ao tratamento.

Tratamento

O Tratamento Médico Imediato, como já falado, consiste na aplicação de gelo e imobilização do ombro, geralmente através de uma tipóia. Raios-X irão ajudar a determinar a presença de lesão óssea em função do deslocamento. A minimização da dor ocorre por meio da tipóia por algumas semanas, que serão determinadas em relação à gravidade do caso. Após este período de tempo, um programa de reabilitação progressiva deve começar.

Tratamento Cirúrgico

Se houver sintomas contínuos que interfiram com o sono, atividades diárias, trabalho ou a prática de esportes, a cirurgia pode ser necessária.

O objetivo da cirurgia no ombro envolve suturar o tecido ou ligamento rompido. As cirurgias podem ser feitos por métodos de artroscopia ou tradicionalmente abertas, dependendo do grau da lesão. Após a cirurgia, o braço é mantido em uma tipóia por quatro a seis semanas. O paciente é orientado a manter o segmento cotovelo / punho/ mão móvel durante este tempo. Fisioterapia é imprescindível para recuperar gradualmente a amplitude de movimento e força e é iniciada após a cirurgia.