Novidades e Tendências

NOTÍCIAS

Posts-site-IOO-1.png
25/out/2021

O estalo no joelho em situações de caminhada, corrida, agachamento, subida e descida de escadas e após os exercícios físicos, deve ser observado principalmente quando acompanhado de dor.

As principais causas das crepitações articulares, como são conhecidos os estalos no meio científico, podem ser provocados pela obesidade, desalinhamento do corpo, artrose no joelho ou alterações na patela que podem ser provocadas por condromalácia patelar.

Outra causa comum se dá pela reação inflamatória crônica da membrana que o envolve, denominada sinóvia. Esta condição pode ser causada tanto por doenças reumatológicas, quanto por sobrecarga e esforço repetitivo dos esportes praticados sem o devido preparo físico prévio, como por exemplo, na corrida.

A procura por um especialista deve ser feita quando ocorre dor ao movimentar os joelhos, ao subir e descer escadas, quando o agachamento é realizado ou sofrer uma luxação “sair do lugar” e, também, se o joelho apresentar vermelhidão ou inchaço.

Esses sintomas podem representar artrose, artrite, rupturas ou inflamação nos ligamentos e nos meniscos. É necessário a realização de exames médicos, ingestão de remédios ou sessões de fisioterapia.

Quase sempre, os estalos não estão associados a uma doença específica. Mas se eles permaneceram por muito tempo, é necessária uma investigação com o especialista para descobrir se não há nenhum problema em suas articulações. Agende uma consulta aqui no Instituto!


Posts-site-IOO.png
19/out/2021

A órtese e a prótese ortopédica são dispositivos que auxiliam as pessoas a recuperarem a sua autonomia e mobilidade, trazendo melhora nas funcionalidades do dia a dia. Apesar de apresentarem certa semelhança na maneira de falar, cada uma possui a sua indicação para o nosso corpo.

A prótese é todo dispositivo criado para substituir membros, articulações, tecidos e órgãos do corpo, suprindo as necessidades estéticas e funcionais de pessoas que sofreram amputações, lesões graves e nos casos de deficiência congênita. Elas podem ser internas ou externas.

Alguns exemplos de próteses externas, são as pernas mecânicas, dentaduras, entre outros. Já as internas, são as próteses articulares, coração, prótese mamária, implantes dentários, ligamento artificial e as válvulas cardíacas.

A órtese, por sua vez, é todo dispositivo que ajuda nas funcionalidades corporais. Ou seja, são soluções que visam alinhar ou adequar algumas partes do corpo (membro, tecido ou órgão) para auxiliar as suas funções. Tais aparelhos compensam insuficiências funcionais e evitam deformidades por problemas de saúde ou acidentes.

De uso provisório, as órteses também podem ser internas ou externas. São exemplos o marca-passo, as bombas de infusão (indicadas para pacientes com prescrição de infusão de fármacos, por exemplo), a bota imobilizadora anatômica de cano curto ou longo, as órteses dinâmicas e as órteses para ombros.

Importante lembrar que as próteses são utilizadas em qualquer nível de amputação, seja membros superiores ou inferiores, bem como as órteses, porém podemos encontrá-las em grande a maioria como auxílio dos membros superiores. Você conhecia a diferença?


27/set/2021

O ciclismo é um esporte com o número de adeptos cada vez maior. Para a sorte desses atletas, por conta do exercício e suas variações, é considerada uma das atividades com o menor índice de lesões.

Entretanto, existem algumas contusões que são típicas dos praticantes desta modalidade que vale maior atenção e cuidado:

Dores na lombar – As longas horas de prática enquanto fica curvado sobre o guidão pode aplicar um grande estresse nos ligamentos e discos intervertebrais presentes na coluna vertebral provocando fortes dores na região lombar, que em determinados casos pode causar problemas sérios como a hérnia de disco.

Dores nos joelhos – Essa dor decorre de um problema de ciclagem, onde a dor na parte da frente geralmente vem de um banco muito baixo e, portanto, com pressão excessiva na cartilagem, lesando o osso subcondral da patela e fêmur. A dor atrás, ocorre normalmente quando o banco é muito alto, esticando e sobrecarregando os músculos posteriores da coxa, os isquiotibiais.

Dores nos punhos e mãos – Quando um excesso de peso é apoiado sobre o guidão, o ciclista pode desenvolver dor no punho. Isso acontece, por exemplo, quando se tem uma bicicleta muito grande em relação ao tamanho do ciclista.

Dores na virilha – A posição do ciclista no selim e na bicicleta como um todo exerce bastante influência sobre estas dores. Além do desconforto em si, isso leva a uma perda de rendimento (no caso de ciclistas competitivos) e pode levar a lesões secundárias em outras áreas do corpo.

É sempre de extrema importância ter um bom equipamento e realizar os ajustes corretos da bicicleta “BIKE FIT”, além da realização de trabalho de fisioterapia preventiva e preparação física para iniciar na atividade esportiva do ciclismo.

Caso você senta dores constantes ou perceber que estão se agravando, é preciso procurar orientação profissional. Entre em contato com o Instituto Osmar de Oliveira!


20/set/2021

Antes de calçar seu par de tênis e sair correndo por aí, saiba que apesar dos inúmeros benefícios, a corrida é um esporte que assim como outras modalidades, pode causar determinadas lesões.

Elas podem ocorrer pelo uso do tênis inapropriado, falta de alongamento, postura errada, falta de descanso e até mesmo o excesso de treino. Conheça as 5 principais lesões que podem acontecer na prática da corrida:

1 – Fascite Plantar: A lesão se manifesta com dor de fisgada na planta do calcanhar, podendo irradiar para baixo do arco ou até a parte da frente do pé. Pode ser causada por excesso de pronação e pouca flexibilidade nas panturrilhas, sendo mais comum em pessoas que estão acima do peso, ou que fiquem longos períodos em pé;

2 – Tendinite Calcânea: É a inflamação no tendão que liga o músculo da panturrilha ao calcanhar. Entre as principais estão o volume de treino excessivo, falta de aquecimento, desvios de eixos nos pés, baixa elasticidade/alongamento e fraqueza dos músculos da panturrilha;

3 – Canelite: Lesão comum principalmente nos que ainda não se adaptaram às atividades ou que exageram no ritmo dos treinamentos. É uma inflamação na canela causada pela sobrecarga da tíbia. O principal sintoma é a dor forte na frente da perna;

4 – Entorse de tornozelo: É uma lesão dos ligamentos que ocorre após uma torção no pé. O tratamento inicial sempre envolve proteção do pé torcido e reabilitação fisioterápica.

5 – Fraturas por estresse: Geralmente ocorrem na tíbia, metatarsos, fíbula e navicular e são o resultado de um desequilíbrio entre estresses mecânicos locais e o remodelamento ósseo. As causas são diversas e a fratura pode se relacionar com a insistência do corredor em treinar mesmo sabendo que seu corpo já está dando sinais como dor e fadiga.

É importante lembrar que também existem diversos fatores envolvidos no surgimento de lesões. Alguns deles são imprevisíveis, mas uma boa parte pode ser evitada. Uma forma de prevenção é realizar um aquecimento específico antes de iniciar qualquer modalidade esportiva.

Além disso, é importante seguir à risca todas as recomendações de um profissional, que poderá indicar a melhor forma de recuperação para o seu problema.


15/set/2021

A tíbia é um dos ossos da perna, que também participa da sustentação do corpo. Ela faz parte de duas articulações: o joelho e o tornozelo.

Além de ajudar no suporte do peso, a tíbia é fundamental para a realização de muitos movimentos, desde uma simples caminhada até um salto complexo.

A fratura do pilão tibial, é uma lesão causada por traumas graves, decorrentes de quedas de moto, acidentes automobilísticos, atropelamentos, quedas de altura etc.

Os principais sintomas da fratura do pilão tibial são a dor e inchaço que deforma a perna, além de incapacidade de apoiar o peso do corpo. A presença de bolhas, aumento da pressão dentro da perna e a exposição óssea (fratura exposta) também podem estar presentes e inspiram maiores cuidados.

O diagnóstico é realizado através da história clínica e pelos sintomas apresentados pelo paciente, em conjunto com exames complementares de raio x e tomografia.

Na maioria dos casos, o osso do pilão tibial fica fragmentado em pequenos pedaços e precisa ser reconstruído da melhor maneira possível para que as sequelas pós-traumáticas sejam minimizadas.

Infelizmente, a maioria dos pacientes que sofrem esse padrão de fratura do pilão tibial ficam com algum tipo de sequela definitiva, podendo ser um inchaço frequente, limitação dos movimentos do tornozelo, dor aos esforços físicos, entre outros.

Se você está com dor ou sofreu algum trauma recentemente, procure o Instituto Osmar de Oliveira!


Posts-site-IOO.png
05/set/2021

A técnica de cirurgia minimamente invasiva surgiu em meados de 1980 e vem se aperfeiçoando até hoje, conquistando o seu espaço na medicina.

Apresentando melhores resultados principalmente no pós-operatório, onde a recuperação e a cicatrização são mais rápidas e melhores esteticamente, a técnica de cirurgia minimamente invasiva é realizada por videolaparoscopia e endoscopia, preservando a anatomia dos tecidos e dos órgãos.

As áreas de atuação costumam ser em casos como hérnia de disco, coluna, fraturas, lesões entre outros, em procedimentos como: artroscopia, infiltrações articulares, radiofrequência e cirurgia robótica.

Porém, ela só é indicada quando o problema pode ser resolvido de forma mais simples, ou seja, não há riscos de possíveis complicações.

No geral, o paciente recebe anestesia geral e não sente nenhuma dor. Tudo é feito de forma rápida e com a realização de pequenos cortes, que acabarão cicatrizando de forma mais rápida.

Por este motivo, a recuperação é muito eficiente e geralmente o paciente recebe alta em um ou dois dias.

Outra vantagem é que mesmo que seja realizada em um órgão bastante importante, as cicatrizes que o paciente apresentará são menores. Ou seja, é possível ganhar em qualidade de vida e retornar à rotina muito mais rápido do que em cirurgias convencionais.

Caso você tenha doenças de tratamento cirúrgico, procure um médico especialista para saber se a cirurgia minimamente invasiva é a melhor indicação para o seu caso.


30/ago/2021

A Canelite é uma inflamação na canela que afeta o osso da perna, chamado tíbia e que está localizado na canela.

Essa inflamação surge por movimentos repetitivos de impacto, principalmente em pessoas que praticam esportes como corridas, caminhadas, vôlei e basquete. Mas, temos 5 dicas de exercícios para aliviar as dores e prevenir a Canelite:

1. Ponta do pé: fique de pé com a coluna ereta e com os pés juntos, para você elevar o peso do seu corpo. Sobe e desce com calma repetindo o processo.
3 séries de 15;
2. Calcanhares: em pé com a coluna ereta, apoie o seu peso sobre os calcanhares jogando o seu corpo para trás e vai voltando devagar para a posição, onde o seu pé fique plano ao chão.
3 séries de 15;
3. Caminhando na ponta dos pés: escolha um ambiente da sua casa para fazer este exercício. Você precisará caminhar na ponta dos pés até atravessar este ambiente, ao chegar você irá voltar andando normalmente. Faça esse processo por 3 vezes;
4. Caminhando sobre os calcanhares: semelhante ao exercício anterior, agora você precisará caminhar sobre os seus calcanhares e depois voltar andando normalmente. Faça o processo por 3 vezes também;
5. Dorsiflexão: você irá precisar de um elástico, mas caso você não tenha, pode utilizar uma toalha. Escolha um lugar confortável para se sentar e com o elástico ou toalha, coloque sobre a ponta dos seus pés e puxe em direção a você. Não pode dobrar a perna e lembre-se de manter a coluna ereta. Faça esse exercício com um pé de cada vez intercalando. 3 séries contando até 20.

É importante buscar orientações do fisioterapeuta, para ser direcionado ao um tratamento mais adequado a você. Procure o Instituto Osmar de Oliveira, agende uma avaliação e nos conte: você já sentiu dor na canela ao praticar algum exercício?


23/ago/2021

Qual é a posição do seu corpo enquanto você anda, dirige ou trabalha? Se os ombros estão sempre caídos e a coluna encurvada, você está correndo sérios riscos de apresentar dores nas costas e comprometer o funcionamento de diversos órgãos.

Por isso, saber como corrigir a postura e realizar a reeducação postural correta é essencial para evitar que esses problemas aconteçam:

  1. Preste atenção à sua postura ao longo do dia: Uma postura ruim é resultado de pequenos hábitos diários que podem passar batido. Pode até parecer difícil prestar atenção aos detalhes, mas com um pouco de esforço é possível mudar atitudes que, a longo prazo, farão toda a diferença.
  2. Escolha uma posição confortável para dormir: Para uma postura correta, durma posicionado de barriga para cima e evite travesseiros muito altos. Outra dica é dormir de lado e com um travesseiro entre as pernas para aliviar o peso nos joelhos e evitar rodar demais a coluna.
  3. Evite carregar pesos em excesso: Carregar peso em excesso é um fator que o distancia, cada vez mais, de uma postura correta. Sacolas de supermercado, por exemplo, devem ter o peso distribuído nos dois braços para evitar sobrecarregar em apenas um lado.
  4. Faça exercícios físicos e alongamentos constantes: Exercícios físicos ajudam a fortalecer os músculos que oferecem uma base de sustentação mais eficiente para todo o corpo, prevenindo as lesões causadas por músculos fracos e flácidos. Isso pode ser feito com musculação, natação, yoga, pilates e RPG.
  5. Invista em ergonomia no trabalho: É praticamente impossível trabalhar em um local que esteja totalmente adaptado às condições do seu corpo. Invista em ergonomia na empresa, como cadeiras e adaptadores corretos.

Repense os seus hábitos e comece a aplicar essas dicas na sua rotina. Assim, você se prevenirá de problemas ainda mais sérios no futuro e que podem interferir na sua qualidade de vida de maneira definitiva. Em caso de dúvidas sobre a reeducação postural, procure o Instituto Osmar de Oliveira.

 


16/ago/2021

Poucos conhecem a importância da fisiatria, a área da medicina responsável pelo tratamento de diferentes eventos decorrentes de traumas, lesões do sistema nervoso (central ou periférico), doenças reumáticas, doenças vasculares e das dores crônicas observadas na coluna e nos membros superiores e inferiores. Mas como o fisiatra pode te ajudar?

Ainda que todas as especialidades cuidem das dores, é o fisiatra que tem como foco a reabilitação do paciente que está com a mobilidade comprometida por doença ou por lesões.

O fisiatra avaliará o paciente e o orientará sob o ponto de vista medicamentoso e fisioterápico.

As questões médicas específicas da reabilitação incluem controle da dor, da função intestinal, da bexiga neurogênica, da disfagia, da ataxia de marcha e movimento, do controle da espasticidade e educação da doença.

Na fisiatria, o profissional é capaz de receitar tratamentos em diferentes abordagens, que vão de medicamentos, sessões de fisioterapia, bloqueios neuromusculares e infiltrações que podem ser feitas com diferentes medicamentos diretamente em uma determinada área do corpo.

A reabilitação fisiátrica se concentra no paciente como um todo ou em cada um dos principais sistemas orgânicos que estejam afetando as funções.

Finalmente, o fisiatra ajuda os pacientes a atingir a máxima função e a mais alta qualidade de vida possível.


Design-sem-nome-1.png
08/ago/2021

A torção do tornozelo é bastante comum durante atividades físicas e ocorre quando o tornozelo se movimenta de maneira errada, provocando a lesão dos ligamentos presentes nessa área do corpo.

Como é difícil avaliar o grau da lesão imediatamente quando ela ocorre, é imprescindível parar com a atividade que esteja realizando assim que houver a torção no pé. Em seguida, aplicar uma compressa de gelo tão logo seja possível na região afetada.

Tenha o cuidado de retirar o calçado e qualquer outra coisa que possa estar sobre a área, pois a região tende a ficar inchada e avermelhada, sinais que só podem ser amenizados com o uso de gelo, que faz com que os vasos sanguíneos se contraiam, reduzindo, desta forma, o edema. Também evite sobrecarregar a região, como colocar o pé no chão.

As compressas devem prosseguir por três a cinco dias, com intervalo de duas horas entre cada uma, para ajudar a diminuir o edema e a consequentemente a dor.

Apenas um especialista é capaz de identificar a necessidade ou não de se fazer um exame de raio-X, até porque a torção do tornozelo, em alguns casos, pode vir acompanhada de uma fratura.

É importante respeitar os prazos de recuperação para que o tornozelo fique forte do ponto de vista anatômico e funcional. Quando os ligamentos não cicatrizam direito, pode ocorrer um quadro conhecido como instabilidade crônica, que pode levar a novas torções ao longo do tempo.

Porém independente da gravidade da lesão ou da intensidade da dor, não hesite em buscar orientação médica de imediato e relate todas as informações sobre o acontecido para obter um diagnóstico preciso para que seja prescrito um tratamento efetivo e uma recuperação mais rápida. Agende a sua consulta no Instituto Osmar de Oliveira e realize uma avaliação com os nossos especialistas para entender qual o melhor tratamento para o seu caso.


instituto
O Instituto Osmar de Oliveira construiu ao longo destes últimos 40 anos uma trajetória de sucesso e profissionalismo, tornando-se referência em São Paulo na área da Ortopedia, Medicina Esportiva e Reabilitação.

R. Dona Germaine Burchard, 332 - Perdizes - São Paulo - SP - CEP 05002-061

Últimos artigos publicados