Novidades e Tendências

NOTÍCIAS

05/maio/2021

A Dor na Coluna é um mal que assombra mais de 29 milhões de brasileiros atualmente através de diversas patologias. Sendo a segunda maior queixa e causa de afastamentos de trabalho no Brasil.

E muitas pessoas possuem receio de ir a um Ortopedista Especialista em Coluna por temer uma indicação de um procedimento cirúrgico, mas saiba que o procedimento cirúrgico é sempre a última opção, e que hoje temos diversos tratamentos não cirúrgicos com altas taxas de sucesso.

1- RPG, como seu próprio nome diz, Reeducação Postural Global, que consiste em exercícios e posturas usadas dentro da fisioterapia para combater alterações da coluna como escoliose, hipercifose “corcunda” e hiperlordose.

2- Cinesioterapia, um conjunto de exercícios terapêuticos que ajudam na reabilitação de diversas situações, fortalecendo e alongando os músculos. Esses exercícios devem ser orientados por um fisioterapeuta de forma individual, respeitando os limites de cada paciente.

3- RMA (Reconstrução Músculo-Articular da Coluna Vertebral), é uma prática desenvolvida com o foco em um trabalho manual de Fisioterapia, onde também são usadas tecnologias como mesas de tração e descompressão e exercícios de Musculação.

A medicina e a fisioterapia evoluem diariamente nos tratamentos das dores na Coluna, por isso lembre-se sempre de procurar a opinião destes profissionais para um tratamento adequado e qualificado.

Não deixe de tratar suas dores, o Instituto Osmar de Oliveira e seus profissionais estão à disposição para dúvidas e esclarecimentos. Entre em contato conosco e marque uma consulta. Estamos seguindo todos os protocolos de segurança para evitar aglomerações e o contágio pela COVID-19.


22/mar/2021

Devido a um crescente número de praticantes de atividade física ocorre um aumento equitativo de lesões voltadas para o aparelho locomotor. Atualmente temos um número acentuado de pessoas que ao praticarem atividades físicas, o fazem sem orientação e pior entram em overuse.

Diante disso nos deparamos com dores nas pernas de corredores, saltadores e praticantes de atividades de impacto que podem ter várias causas: musculares, tendinosas ou ósseas.

Duas delas, apesar de apresentarem semelhanças clínicas, mostram graus de gravidade bem diferentes. São elas a canelite e a fratura por estresse.

As canelites se localizam  na região posteromedial do terço médio para distal da tíbia, melhorando com o repouso e a dor também piora com o exercício, desaparecendo com o aquecimento e podendo ressurgir no final do treino

A canelite é causada por microtraumas em esforços repetidos no tecido conjuntivo que envolve o osso da tíbia – periósteo. Estas lesões podem  agravar os sintomas ou resultar em uma condição mais grave, a fratura por estresse.

As fraturas por estresse são mais comuns no terço proximal ou distal da tíbia e a dor se intensifica com o exercício, a qual se manifesta  tanto na percussão quanto na palpação óssea.

Acometem pessoas mais jovens como recrutas militares, bailarinos, esportistas (especialmente corredores) que são submetidas a intensa atividade física.. É notadamente mais frequente no sexo feminino.

Os riscos da fratura por estresse são influenciados por vários fatores que são divididos em:

  • Intrínsecos gerais (sexo, idade, etnia e força muscular)
  • Extrínsecos
  • gerais (regime de treinamento, tipo de calçado usado, superfície de treinamento e tipo de esporte)
  • biomecânicos (densidade mineral óssea e geometria do osso)
  • anatômicos (morfologia do pé, discrepância do comprimento da perna e alinhamento do joelho)
  • hormonais (menarca atrasada, distúrbios menstruais e contraceptivos)
  • nutricionais (deficiência de cálcio e vitamina D, desordens alimentares e a tríade da atleta mulher)

Os exames de imagem e ai se incluem as radiografias também são fundamentais para se estabelecer o grau de acometimento e nortear o tratamento.

O tratamento inicialmente se faz a base de crioterapia e fisioterapia clássica , associadas a medicação anti-inflamatória a fim de reduzir a síntese de prostaglandinas e com isso diminuir os efeitos da inflamação; analgésicos, se necessário. Quando o quadro álgico estiver controlado se faz necessário exercícios de fortalecimento e alongamentos de membros inferiores.

O retorno às atividades físicas deve ser feito com cautela e as atividades aquáticas (natação e hidroginástica) e sem impacto são as melhores opções.


18/mar/2021

Também conhecida como teste da pisada, a baropodometria é um recurso que permite uma análise de possíveis problemas nos pés, tornozelos e joelhos e com isso poder orientar uma forma de evitar lesões nessas articulações, bem como nos quadris.

Os nossos pés representam a principal fonte de sustentação do nosso corpo, pois são eles que recebem a maior carga ao tocar o chão ao longo do dia.

Dores nas pernas, joelhos e até mesmo na coluna poderiam ser evitadas ou solucionadas se o paciente distribuísse de forma correta o peso e impacto do corpo enquanto caminha ou corre.

A baropodometria  é orientada para aqueles que possuem algum sintoma, mas também pode ser feito por pessoas que querem saber mais sobre seu pé e sua pisada e identificar fatores de risco para lesões.

É realizado através de duas etapas:

Análise estática – o paciente parado em cima de uma plataforma durante um curto período pré-estabelecido.

Ocorre a avaliação e análise do tipo de pés (plano, cavo, normal), centro de gravidade e picos de maior pressão plantar.

Com base nessas análises, pode se evidenciar alterações estruturais e posturais e se o indivíduo possui um bom controle postural.

Análise dinâmica – o paciente vai caminhar sobre a plataforma sob o comando do fisioterapeuta. A partir daí, será possível determinar qual o seu tipo de pisada  (pronada, supinada, normal), qua o centro de gravidade e quais alterações biomecânicas  nas ações musculares durante a marcha.

Desta forma, o resultado da baropodometria auxilia o médico a determinar se o paciente é portador de algum problema e de orientá-lo no uso correto e apropriado de tênis, palmilhas e outras órteses, além de auxiliá-lo em uma possível programação cirúrgica.


04/mar/2021

As bandagens elásticas foram desenvolvidas na década de 70, na Ásia, mais especificamente no Japão pelo quiropraxista Kenzo Kaze , que idealizou que por meio de pressão e força sobre músculos e articulações ocorreria apoio e estabilidade.

A bandagem elástica é um recurso terapêutico para quem pratica atividades físicas, mas também em patologias neurológicas e ortopédicas. O seu objetivo é buscar  reeducação postural,  reduzir o quadro inflamatório com a melhora da circulação sanguínea e consequentemente diminuir a dor,  a propriocepção e desta forma promover a reabilitação física, bem como atuar na prevenção de lesões musculares e articulares

Existem 2 tipos de bandagens elásticas:

  • Rígidas cujo objetivo é estabilizar a articulação, limitando movimentos
  • Funcionais já permitem livremente os movimentos

A aplicação de bandagens deve ser feita por profissional qualificado, que normalmente é  um fisioterapeuta com formação especializada.

Há que se ter cautela na sua aplicação em gestantes.

As contra-indicações de seu uso são voltadas para:

  • Quadros alérgicos, uma vez que o material da bandagem é sintético à base de elastano
  • Em feridas abertas ou cancerígenas ou que denotam infeção
  • Fraturas e rupturas completas de tendão
  • Diabéticos
  • Doentes renais
  • Portadores de trombose

 

 


08/fev/2021

A artrose é uma doença degenerativa crônica, que quando atinge os dedos dos pés, torna impossível seu movimento, deixando-os rígidos e muito doloridos.

A causa mais comum do surgimento de artrose nos dedos dos pés é o uso contínuo de sapatos apertados ou salto alto. Outras causas são artrite reumatoide, lesões neurológicas e idiopática (causa indefinida)

A dor costuma ser pior no final do dia e após longos períodos de inatividade. Além disso, nota-se a redução de mobilidade, inchaço, calor local e crepitações durante o movimento. Algumas pessoas referem mais dor com mudanças climáticas.

Com o passar do tempo, as dores que eram presentes durante o movimento passam a ser constantes e prejudicam também o repouso. E, invariavelmente,  até mesmo as tarefas mais simples ficam muito prejudicadas.

O diagnóstico é realizado a partir de uma avaliação da sensibilidade da região afetada e das limitações funcionais  da articulação, além da análise do histórico do paciente e da sua família (para checar o fator hereditário), da ocorrência e da duração das dores.

Exames de imagem podem indicar o desgaste nas áreas em que o paciente sente os incômodos, além de ilustrar o grau de desenvolvimento da doença. O raio-x, mesmo não exibindo a cartilagem, pode ser muito útil para o diagnóstico da artrose nos casos avançados.

Por ser uma doença progressiva, a identificação do grau de comprometimento da articulação é fundamental para o tratamento.

O tratamento inicial é baseado em fisioterapia e proteção das articulações envolvidas. Sapatos especiais, alterações nas solas, palmilhas e, eventualmente, aparelhos especiais ajudam a prolongar a saúde articular e mantém sua função por mais tempo.

Em último caso, é indicado o procedimento cirúrgico, ou seja, quando todas as outras alternativas não proporcionaram alívio adequado.

Atualmente, a cirurgia é realizada com técnicas menos agressivas, de recuperação mais tranquila e rápida do que antigamente.


06/jan/2021

A fadiga muscular é uma ocorrência frequente e corresponde à incapacidade do músculo em manter o rendimento durante o exercício. Suas causas tem várias explicações e atualmente estabelecemos 2 tipos:
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
1️⃣ Fadiga periférica: Causada pelas próprias condições adversas do músculo;
2️⃣ Fadiga central: Caracterizada por mecanismos biológicos que alteram outros setores que inibem a ativação neuromuscular.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
O grau e a causa da fadiga muscular dependem da duração, intensidade e natureza dos exercícios, bem como da composição da fibra muscular, do nível do condicionamento físico e de fatores ambientais (altitude, umidade e temperatura).
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Outros fatores que levam à fadiga muscular decorrente da atividade física de longa duração são: depleção de glicogênio muscular e hepático, diminuição da glicose sanguínea, desidratação e aumento da temperatura corporal.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Lembre-se: o diagnóstico precisa ser feito por um profissional. Em caso de dores ou sintomas, procure o Instituto Osmar de Oliveira! 😉
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

15/dez/2020

Tendinite e Bursite no Quadril, a diferença é que a primeira se trata da inflamação no tendão, ou seja, na parte do músculo que é ligada ao osso, enquanto que a bursite é justamente a inflamação na bursa, uma bolsa pequena com líquido sinovial que tem a função de absorver o atrito, preservando estruturas como proeminências ósseas e tendões.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Os sintomas mais comuns são vermelhidão, edema (inchaço), formigamento, limitação de movimentos na região lesionada e dor no local, que pode irradiar para toda musculatura ao redor, podendo causar espasmos, fadiga e diminuição da força muscular.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A causa mais comum de tendinites e bursites é o trauma local ou “overuse” (excesso) durante trabalho ou jogo, particularmente se o paciente tem um mau condicionamento físico, má postura, ou usa o membro afetado em uma posição forçada e desajeitada.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
O tratamento consiste em medicações e fisioterapia, além de evitar atividades no esporte e no trabalho que propiciem o desenvolvimento do problema. As medicações, dependendo da intensidade dos sintomas, podem ser por via oral, injeções intramusculares ou infiltrações.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Se seu trabalho ou hobby contribui para o problema, pode ser interessante alguns ajustes ergonômicos do local de trabalho ou do posicionamento do corpo. Em caso de dúvidas sobre Tendinite e Bursite no Quadril, entre em contato conosco para que possamos esclarecer e te ajudar!

09/dez/2020

O alongamento é um dos principais exercícios feitos em academia. Ele é muito importante, pois fortalece os músculos e previne lesões. Mas você sabe qual o melhor momento para se alongar? Antes ou depois do treino?

Esse tipo de exercício traz um aumento na flexibilidade, o que faz uma diferença positiva em treinos de alta intensidade, além de auxiliar os atletas que têm restrições de mobilidade. Só não devem ser feitos logo antes dos treinos.

Cuidado, pois pode prejudicar…

Nos casos da prática de esportes de alto impacto, o alongamento rápido e de curtíssima duração, chamado de pré-participação pode gerar até uma distensão muscular, já que o músculo não está aquecido. O recomendado é sempre executar uma sessão de aquecimento muscular antes de alongar

Quando praticado com frequência e sem ser acompanhado de alguma atividade física, também é sempre indicado, pois alonga a musculatura, amplia as articulações e sobretudo prepara o corpo para as outras atividades físicas.

Alongamento ao final é essencial para que as fibras musculares não percam a elasticidade, ajudando a reduzir aquela dor pós-corrida. Os músculos que não podem ser esquecidos nessa fase são os da lombar, das partes anterior e posterior das coxas, os adutores, os glúteos e a panturrilha.

No caso de a musculatura não ser alongada após a atividade, ela permanecerá encurtada e começará a próxima corrida com a mesma extensão que terminou a corrida anterior. Com esta constante prática, podem ocorrer lesões musculares que, dependendo do caso e aliadas à falta de fortalecimento, podem afastar o corredor das pistas por períodos determinados ou indeterminados.

Mas é preciso cuidados com a maneira como proceder. Depois de feito um exercício que cause uma intensa fadiga, o indicado é aguardar um pouco para, então, fazer o alongamento. Em atividades extenuantes como maratonas, por exemplo, uma massagem muscular antes dessa etapa pode ser indicada.

Em caso de dúvidas ou se está em busca de orientação para a prática de esportes, entre em contato com o Instituto Osmar de Oliveira e agende uma consulta!


02/dez/2020

Você quer perder peso, mas não sabe qual atividade física escolher para atingir esse objetivo? Muitos se perguntam qual a melhor opção: a corrida ou caminhada?

Muitos fatores influenciam a queima de calorias em ambas as atividades (idade, peso, condicionamento físico, pace, superfície, etc.).

Mas não é possível afirmar qual das atividades proporciona maior perda de peso, pois o que determina é justamente a intensidade com que se praticam as mesmas e também o tempo.

Ou seja, o que ajuda a emagrecer é a quantidade de esforço com que se coloca em qualquer uma dessas atividades. Isso determina quantas calorias são eliminadas.

A caminhada é um exercício aeróbio, o que significa que demanda bastante oxigênio na geração de energia nos músculos. Esse tipo de atividade é excelente para o organismo, já que dá mais disposição e condicionamento físico.

Já a corrida é um exercício de impacto, em que o contato com o solo é mais rápido e os resultados podem ser obtidos de forma mais rápida do que um praticante de caminhada. Lembre-se: isso não é uma regra, pois tudo depende do fator citado acima.

Fique atento aos benefícios!

Correr traz muitos benefícios para a sua saúde e também contribui para o emagrecimento, pois acelera o metabolismo, fazendo com que a “queima” das calorias aconteça de forma mais eficiente.

Esse aumento do metabolismo permanece por algumas horas depois que a corrida acaba e por isso você “queima” as gorduras enquanto pratica o exercício e também depois que o mesmo termina.

Caminhar ou correr são atividades físicas que podem mudar sua vida. Feitas com frequências e regularidades, e quando amparadas pelo acompanhamento, podem ser exercícios poderosos na manutenção da saúde e também para quem deseja emagrecer.

Antes de iniciar qualquer prática esportiva, é preciso realizar um check-up antes para entender como está o funcionamento do seu corpo, se há limitações e qual o ritmo que você deve adotar no dia-a-dia. Entre em contato com o Instituto Osmar de Oliveira para que possamos te ajudar com isso!


24/nov/2020

Apesar de ser uma especialidade médica com décadas de existência, a Medicina Esportiva foi apresentada ao público apenas nos últimos anos, devido ao aumento da prática esportiva regular.

A prática esportiva demanda bastante do corpo e praticamente de todos os sistemas: batimentos cardíacos são acelerados, há um maior consumo de oxigênio e de nutrientes, maior demanda sobre os músculos e as articulações em geral, concentrações hormonais diferentes etc.

O exercício físico frequente, embora extremamente benéfico, demanda uma série de cuidados especiais para não se tornar um vilão.

É recomendada uma análise especializada sobre o perfil corporal do indivíduo, incluindo características constitucionais e adquiridas, que permitam ações preventivas e também corretivas visando o aumento de performance e redução de impactos e lesões, sejam de atletas profissionais, sejam da população em geral.

Portanto, é essencial que exista um médico especialista que conheça bem todas essas demandas relacionadas à prática esportiva e saiba lidar com as principais lesões relacionadas.

Qual a função da Medicina Esportiva?

O médico do esporte atua diretamente na saúde do esportista ou atleta, visando a proteção e prevenção de doenças e lesões, melhora do desempenho, recuperação muscular ou reabilitação, preferencialmente integrado a uma equipe multidisciplinar.

Além disso, o profissional se propõe a auxiliar tanto  indivíduos saudáveis quanto portadores de condições (como obesidade, osteoporose, hipertensão arterial, diabetes, doença pulmonar obstrutiva crônica, doença coronariana) a alcançarem os benefícios da prática física com segurança e eficácia, além de recuperar a função da estrutura, prescrevendo  tratamentos que permitam que o esportista volte a ter uma alta performance. .

O cuidado com o paciente e a comunicação com todos os profissionais envolvidos é fundamental para sua saúde e desempenho esportivo. Se começar a praticar exercícios está em seus planos, a Medicina Esportiva pode ajudá-lo. Entre em contato e agende uma consulta no Instituto Osmar de Oliveira!


instituto
O Instituto Osmar de Oliveira construiu ao longo destes últimos 40 anos uma trajetória de sucesso e profissionalismo, tornando-se referência em São Paulo na área da Ortopedia, Medicina Esportiva e Reabilitação.

R. Dona Germaine Burchard, 332 - Perdizes - São Paulo - SP - CEP 05002-061

Últimos artigos publicados