Novidades e Tendências

NOTÍCIAS

15/set/2021

A tíbia é um dos ossos da perna, que também participa da sustentação do corpo. Ela faz parte de duas articulações: o joelho e o tornozelo.

Além de ajudar no suporte do peso, a tíbia é fundamental para a realização de muitos movimentos, desde uma simples caminhada até um salto complexo.

A fratura do pilão tibial, é uma lesão causada por traumas graves, decorrentes de quedas de moto, acidentes automobilísticos, atropelamentos, quedas de altura etc.

Os principais sintomas da fratura do pilão tibial são a dor e inchaço que deforma a perna, além de incapacidade de apoiar o peso do corpo. A presença de bolhas, aumento da pressão dentro da perna e a exposição óssea (fratura exposta) também podem estar presentes e inspiram maiores cuidados.

O diagnóstico é realizado através da história clínica e pelos sintomas apresentados pelo paciente, em conjunto com exames complementares de raio x e tomografia.

Na maioria dos casos, o osso do pilão tibial fica fragmentado em pequenos pedaços e precisa ser reconstruído da melhor maneira possível para que as sequelas pós-traumáticas sejam minimizadas.

Infelizmente, a maioria dos pacientes que sofrem esse padrão de fratura do pilão tibial ficam com algum tipo de sequela definitiva, podendo ser um inchaço frequente, limitação dos movimentos do tornozelo, dor aos esforços físicos, entre outros.

Se você está com dor ou sofreu algum trauma recentemente, procure o Instituto Osmar de Oliveira!


Posts-site-IOO.png
05/set/2021

A técnica de cirurgia minimamente invasiva surgiu em meados de 1980 e vem se aperfeiçoando até hoje, conquistando o seu espaço na medicina.

Apresentando melhores resultados principalmente no pós-operatório, onde a recuperação e a cicatrização são mais rápidas e melhores esteticamente, a técnica de cirurgia minimamente invasiva é realizada por videolaparoscopia e endoscopia, preservando a anatomia dos tecidos e dos órgãos.

As áreas de atuação costumam ser em casos como hérnia de disco, coluna, fraturas, lesões entre outros, em procedimentos como: artroscopia, infiltrações articulares, radiofrequência e cirurgia robótica.

Porém, ela só é indicada quando o problema pode ser resolvido de forma mais simples, ou seja, não há riscos de possíveis complicações.

No geral, o paciente recebe anestesia geral e não sente nenhuma dor. Tudo é feito de forma rápida e com a realização de pequenos cortes, que acabarão cicatrizando de forma mais rápida.

Por este motivo, a recuperação é muito eficiente e geralmente o paciente recebe alta em um ou dois dias.

Outra vantagem é que mesmo que seja realizada em um órgão bastante importante, as cicatrizes que o paciente apresentará são menores. Ou seja, é possível ganhar em qualidade de vida e retornar à rotina muito mais rápido do que em cirurgias convencionais.

Caso você tenha doenças de tratamento cirúrgico, procure um médico especialista para saber se a cirurgia minimamente invasiva é a melhor indicação para o seu caso.


30/ago/2021

A Canelite é uma inflamação na canela que afeta o osso da perna, chamado tíbia e que está localizado na canela.

Essa inflamação surge por movimentos repetitivos de impacto, principalmente em pessoas que praticam esportes como corridas, caminhadas, vôlei e basquete. Mas, temos 5 dicas de exercícios para aliviar as dores e prevenir a Canelite:

1. Ponta do pé: fique de pé com a coluna ereta e com os pés juntos, para você elevar o peso do seu corpo. Sobe e desce com calma repetindo o processo.
3 séries de 15;
2. Calcanhares: em pé com a coluna ereta, apoie o seu peso sobre os calcanhares jogando o seu corpo para trás e vai voltando devagar para a posição, onde o seu pé fique plano ao chão.
3 séries de 15;
3. Caminhando na ponta dos pés: escolha um ambiente da sua casa para fazer este exercício. Você precisará caminhar na ponta dos pés até atravessar este ambiente, ao chegar você irá voltar andando normalmente. Faça esse processo por 3 vezes;
4. Caminhando sobre os calcanhares: semelhante ao exercício anterior, agora você precisará caminhar sobre os seus calcanhares e depois voltar andando normalmente. Faça o processo por 3 vezes também;
5. Dorsiflexão: você irá precisar de um elástico, mas caso você não tenha, pode utilizar uma toalha. Escolha um lugar confortável para se sentar e com o elástico ou toalha, coloque sobre a ponta dos seus pés e puxe em direção a você. Não pode dobrar a perna e lembre-se de manter a coluna ereta. Faça esse exercício com um pé de cada vez intercalando. 3 séries contando até 20.

É importante buscar orientações do fisioterapeuta, para ser direcionado ao um tratamento mais adequado a você. Procure o Instituto Osmar de Oliveira, agende uma avaliação e nos conte: você já sentiu dor na canela ao praticar algum exercício?


Design-sem-nome-1.png
08/ago/2021

A torção do tornozelo é bastante comum durante atividades físicas e ocorre quando o tornozelo se movimenta de maneira errada, provocando a lesão dos ligamentos presentes nessa área do corpo.

Como é difícil avaliar o grau da lesão imediatamente quando ela ocorre, é imprescindível parar com a atividade que esteja realizando assim que houver a torção no pé. Em seguida, aplicar uma compressa de gelo tão logo seja possível na região afetada.

Tenha o cuidado de retirar o calçado e qualquer outra coisa que possa estar sobre a área, pois a região tende a ficar inchada e avermelhada, sinais que só podem ser amenizados com o uso de gelo, que faz com que os vasos sanguíneos se contraiam, reduzindo, desta forma, o edema. Também evite sobrecarregar a região, como colocar o pé no chão.

As compressas devem prosseguir por três a cinco dias, com intervalo de duas horas entre cada uma, para ajudar a diminuir o edema e a consequentemente a dor.

Apenas um especialista é capaz de identificar a necessidade ou não de se fazer um exame de raio-X, até porque a torção do tornozelo, em alguns casos, pode vir acompanhada de uma fratura.

É importante respeitar os prazos de recuperação para que o tornozelo fique forte do ponto de vista anatômico e funcional. Quando os ligamentos não cicatrizam direito, pode ocorrer um quadro conhecido como instabilidade crônica, que pode levar a novas torções ao longo do tempo.

Porém independente da gravidade da lesão ou da intensidade da dor, não hesite em buscar orientação médica de imediato e relate todas as informações sobre o acontecido para obter um diagnóstico preciso para que seja prescrito um tratamento efetivo e uma recuperação mais rápida. Agende a sua consulta no Instituto Osmar de Oliveira e realize uma avaliação com os nossos especialistas para entender qual o melhor tratamento para o seu caso.


Design-sem-nome.png
01/ago/2021

O joanete, ou hálux valgo, é o nome dado a uma deformação que acomete os dedos dos pés. Os ossos e as articulações se desalinham e os dedos se desviam para o interior do pé.

A saliência é formada pela deformidade do osso, geralmente do dedão, e não por um crescimento ósseo nos pés, como muito é dito por aí. Como consequência, a distribuição do peso nos pés fica comprometida, o que pode prejudicar várias articulações do corpo.

Algumas atitudes diárias contribuem para o alívio da dor e do incômodo causadas pelo joanete. Confira e tente adaptar em sua rotina:

1 – Trocar os sapatos duros e apertados por modelos mais macios e folgados. Para as mulheres, evitar os saltos altos;

2 – Os protetores para joanetes podem ajudar a evitar que saliência óssea tenha atritos, consequentemente evitando o surgimento de feridas locais, absorvendo os impactos;

3 – O uso de palmilhas especiais contribui para evitar a inflamação óssea e a deformação característica, podendo ser uma boa opção para o dia a dia;

4 – Compressas de gelo no local podem ajudar a controlar a inflamação e diminuir a dor dos joanetes, uma vez que o gelo atua diretamente sobre a circulação sanguínea;

5 – Medicamentos tópicos podem ser usados no joanete durante a inflamação conforme indicação profissional. Aplique diretamente no local afetado para a ação anti-inflamatória.

A fisioterapia também é indicada em alguns casos, com exercícios que ajudam no alívio da dor e diminuição da inflamação, além de reabilitação do caminhar nos casos em que isso foi afetado pelo joanete.

Em raros casos em que esses tratamentos não surtam efeito, pode ser considerado o tratamento cirúrgico. Por isso a importância do acompanhamento médico. Agende a sua consulta no Instituto Osmar de Oliveira e realize uma avaliação com os nossos especialistas para entender qual o melhor tratamento para o seu caso.


18/jul/2021

Se você sofre com dor ciática (no nervo ciático), entenda que os sintomas podem ser causados por um problema na coluna lombar tais como hérnias de disco ou doenças degenerativas ao exemplo da artrose.

Em geral os sintomas costumam ser de “travamento” lombar e dor em queimação, fisgada e/ou choque que se inicia na região lombar baixa e percorre da nádega até o pé. A dor seguir todo este trajeto não é regra, podendo haver variações no território de irradiação. Algumas pessoas sentem a dor pela parte posterior da perna, outras pela lateral, podendo ainda aparecer de forma mista. Atividades cotidianas como sentar, espirrar e tossir podem intensificar muito a dor, que pode ser constante ou apenas se manifestar durante algum tipo de movimento ou esforço específicos.

Normalmente a primeira opção de tratamento é o não cirúrgico, onde são indicados medicamentos analgésicos de diversos tipos e acompanhamento com fisioterapia. A imobilidade deve ser evitada sempre que a intensidade de dor do paciente permitir.

Quando as primeiras medidas clínicas falham em proporcionar alívio,  ainda podemos indicar em casos selecionados a infiltração lombar, que consiste em uma modalidade de tratamento minimamente invasivo para dor com agulhamento. É uma técnica com excelentes resultados para o alívio da dor e auxílio às demais medidas não cirúrgicas indicadas inicialmente.

Por fim, na persistência da dor por mais de 6 semanas ou incapacidade do paciente por alta intensidade dolorosa e/ou déficit neurológico, com o diagnóstico preciso da causa responsável pela compressão do nervo ciático, é indicado o tratamento cirúrgico.

Uma das técnicas existentes é a endoscópica( por vídeo), chamada de minimamente invasiva, realizada por meio de incisão na pele de no máximo 1cm. Outra técnica é a tradicional, conhecida por cirurgia aberta. O objetivo dos procedimentos é aliviar os sintomas e prevenir mais danos, removendo a causa da compressão sobre as raízes do nervo espinhal.

Para determinar o procedimento cirúrgico ideal o médico cirurgião considera o quadro clínico do paciente como um todo (as alterações estruturais e funcionais da coluna que levaram à disfunção do paciente, o nível ou níveis da coluna afetados, histórico médico), de forma a obter o melhor resultado com a maior segurança possível.

Para o período pós-cirúrgico são dadas orientações pelo médico de acordo com as peculiaridades de cada caso. Há recomendações simples tais como evitar a imobilidade e esforços físicos exagerados, cuidados para limpeza e cicatrização da ferida operatória, além de fisioterapia e medicamentos analgésicos. Uma alimentação saudável também colabora para a recuperação mais rápida.

Caso tenha alguma dúvida mesmo após a leitura deste artigo, marque uma consulta conosco. O Instituto Osmar de Oliveira está disponível para avaliar o seu caso e encontrar o tratamento ideal para o seu problema.


23/maio/2021

Você sabe o que é Ergonomia? Trata-se de uma ciência que busca entender e melhorar a relação do ser humano com suas condições de trabalho, estabelecendo regras e normas para promover melhorias no dia a dia do trabalhador.

A Ergonomia possui 3 vertentes muito importantes, sendo elas a física, a organizacional e a cognitiva. Hoje iremos abordar a física. 

Algumas atividades que muitas vezes parecem simples, podem oferecer riscos à saúde do colaborador:

1 – Rotinas de Trabalho: Ficar sentado horas em frente ao computador, pode gerar dores nas costas, problemas de visão dentre outros.

2 – Trabalhos exaustivos e repetitivos: Geralmente acabam evoluindo lesões causadas por esforço repetitivo, chamada de LER.

3 – Equipamentos relacionados a Segurança do Trabalho: Em diversos casos de trabalhos manuais, a falta dos equipamentos de segurança corretos, expõe o colaborador ao perigo desnecessário que podem provocar acidentes de trabalho. 

E quais são os benefícios da Ergonomia no ambiente de trabalho? Os benefícios são mútuos tanto ao colaborador quanto à empresa, pois a melhora na qualidade de vida daquele colaborador aumenta a produtividade e ajuda o clima organizacional da empresa. 

Fique atento a sua postura e dedique alguns minutos do seu dia para alongamentos, isso irá lhe ajudar muito na prevenção de dores localizadas.

Ficou com dúvidas? Envie um direct, será um prazer falar com você!


05/maio/2021

A Dor na Coluna é um mal que assombra mais de 29 milhões de brasileiros atualmente através de diversas patologias. Sendo a segunda maior queixa e causa de afastamentos de trabalho no Brasil.

E muitas pessoas possuem receio de ir a um Ortopedista Especialista em Coluna por temer uma indicação de um procedimento cirúrgico, mas saiba que o procedimento cirúrgico é sempre a última opção, e que hoje temos diversos tratamentos não cirúrgicos com altas taxas de sucesso.

1- RPG, como seu próprio nome diz, Reeducação Postural Global, que consiste em exercícios e posturas usadas dentro da fisioterapia para combater alterações da coluna como escoliose, hipercifose “corcunda” e hiperlordose.

2- Cinesioterapia, um conjunto de exercícios terapêuticos que ajudam na reabilitação de diversas situações, fortalecendo e alongando os músculos. Esses exercícios devem ser orientados por um fisioterapeuta de forma individual, respeitando os limites de cada paciente.

3- RMA (Reconstrução Músculo-Articular da Coluna Vertebral), é uma prática desenvolvida com o foco em um trabalho manual de Fisioterapia, onde também são usadas tecnologias como mesas de tração e descompressão e exercícios de Musculação.

A medicina e a fisioterapia evoluem diariamente nos tratamentos das dores na Coluna, por isso lembre-se sempre de procurar a opinião destes profissionais para um tratamento adequado e qualificado.

Não deixe de tratar suas dores, o Instituto Osmar de Oliveira e seus profissionais estão à disposição para dúvidas e esclarecimentos. Entre em contato conosco e marque uma consulta. Estamos seguindo todos os protocolos de segurança para evitar aglomerações e o contágio pela COVID-19.


22/mar/2021

Devido a um crescente número de praticantes de atividade física ocorre um aumento equitativo de lesões voltadas para o aparelho locomotor. Atualmente temos um número acentuado de pessoas que ao praticarem atividades físicas, o fazem sem orientação e pior entram em overuse.

Diante disso nos deparamos com dores nas pernas de corredores, saltadores e praticantes de atividades de impacto que podem ter várias causas: musculares, tendinosas ou ósseas.

Duas delas, apesar de apresentarem semelhanças clínicas, mostram graus de gravidade bem diferentes. São elas a canelite e a fratura por estresse.

As canelites se localizam  na região posteromedial do terço médio para distal da tíbia, melhorando com o repouso e a dor também piora com o exercício, desaparecendo com o aquecimento e podendo ressurgir no final do treino

A canelite é causada por microtraumas em esforços repetidos no tecido conjuntivo que envolve o osso da tíbia – periósteo. Estas lesões podem  agravar os sintomas ou resultar em uma condição mais grave, a fratura por estresse.

As fraturas por estresse são mais comuns no terço proximal ou distal da tíbia e a dor se intensifica com o exercício, a qual se manifesta  tanto na percussão quanto na palpação óssea.

Acometem pessoas mais jovens como recrutas militares, bailarinos, esportistas (especialmente corredores) que são submetidas a intensa atividade física.. É notadamente mais frequente no sexo feminino.

Os riscos da fratura por estresse são influenciados por vários fatores que são divididos em:

  • Intrínsecos gerais (sexo, idade, etnia e força muscular)
  • Extrínsecos
  • gerais (regime de treinamento, tipo de calçado usado, superfície de treinamento e tipo de esporte)
  • biomecânicos (densidade mineral óssea e geometria do osso)
  • anatômicos (morfologia do pé, discrepância do comprimento da perna e alinhamento do joelho)
  • hormonais (menarca atrasada, distúrbios menstruais e contraceptivos)
  • nutricionais (deficiência de cálcio e vitamina D, desordens alimentares e a tríade da atleta mulher)

Os exames de imagem e ai se incluem as radiografias também são fundamentais para se estabelecer o grau de acometimento e nortear o tratamento.

O tratamento inicialmente se faz a base de crioterapia e fisioterapia clássica , associadas a medicação anti-inflamatória a fim de reduzir a síntese de prostaglandinas e com isso diminuir os efeitos da inflamação; analgésicos, se necessário. Quando o quadro álgico estiver controlado se faz necessário exercícios de fortalecimento e alongamentos de membros inferiores.

O retorno às atividades físicas deve ser feito com cautela e as atividades aquáticas (natação e hidroginástica) e sem impacto são as melhores opções.


18/mar/2021

Também conhecida como teste da pisada, a baropodometria é um recurso que permite uma análise de possíveis problemas nos pés, tornozelos e joelhos e com isso poder orientar uma forma de evitar lesões nessas articulações, bem como nos quadris.

Os nossos pés representam a principal fonte de sustentação do nosso corpo, pois são eles que recebem a maior carga ao tocar o chão ao longo do dia.

Dores nas pernas, joelhos e até mesmo na coluna poderiam ser evitadas ou solucionadas se o paciente distribuísse de forma correta o peso e impacto do corpo enquanto caminha ou corre.

A baropodometria  é orientada para aqueles que possuem algum sintoma, mas também pode ser feito por pessoas que querem saber mais sobre seu pé e sua pisada e identificar fatores de risco para lesões.

É realizado através de duas etapas:

Análise estática – o paciente parado em cima de uma plataforma durante um curto período pré-estabelecido.

Ocorre a avaliação e análise do tipo de pés (plano, cavo, normal), centro de gravidade e picos de maior pressão plantar.

Com base nessas análises, pode se evidenciar alterações estruturais e posturais e se o indivíduo possui um bom controle postural.

Análise dinâmica – o paciente vai caminhar sobre a plataforma sob o comando do fisioterapeuta. A partir daí, será possível determinar qual o seu tipo de pisada  (pronada, supinada, normal), qua o centro de gravidade e quais alterações biomecânicas  nas ações musculares durante a marcha.

Desta forma, o resultado da baropodometria auxilia o médico a determinar se o paciente é portador de algum problema e de orientá-lo no uso correto e apropriado de tênis, palmilhas e outras órteses, além de auxiliá-lo em uma possível programação cirúrgica.


instituto
O Instituto Osmar de Oliveira construiu ao longo destes últimos 40 anos uma trajetória de sucesso e profissionalismo, tornando-se referência em São Paulo na área da Ortopedia, Medicina Esportiva e Reabilitação.

R. Dona Germaine Burchard, 332 - Perdizes - São Paulo - SP - CEP 05002-061

Últimos artigos publicados