Novidades e Tendências

NOTÍCIAS

Posts-site-IOO.png
05/set/2021

A técnica de cirurgia minimamente invasiva surgiu em meados de 1980 e vem se aperfeiçoando até hoje, conquistando o seu espaço na medicina.

Apresentando melhores resultados principalmente no pós-operatório, onde a recuperação e a cicatrização são mais rápidas e melhores esteticamente, a técnica de cirurgia minimamente invasiva é realizada por videolaparoscopia e endoscopia, preservando a anatomia dos tecidos e dos órgãos.

As áreas de atuação costumam ser em casos como hérnia de disco, coluna, fraturas, lesões entre outros, em procedimentos como: artroscopia, infiltrações articulares, radiofrequência e cirurgia robótica.

Porém, ela só é indicada quando o problema pode ser resolvido de forma mais simples, ou seja, não há riscos de possíveis complicações.

No geral, o paciente recebe anestesia geral e não sente nenhuma dor. Tudo é feito de forma rápida e com a realização de pequenos cortes, que acabarão cicatrizando de forma mais rápida.

Por este motivo, a recuperação é muito eficiente e geralmente o paciente recebe alta em um ou dois dias.

Outra vantagem é que mesmo que seja realizada em um órgão bastante importante, as cicatrizes que o paciente apresentará são menores. Ou seja, é possível ganhar em qualidade de vida e retornar à rotina muito mais rápido do que em cirurgias convencionais.

Caso você tenha doenças de tratamento cirúrgico, procure um médico especialista para saber se a cirurgia minimamente invasiva é a melhor indicação para o seu caso.


22/mar/2021

Devido a um crescente número de praticantes de atividade física ocorre um aumento equitativo de lesões voltadas para o aparelho locomotor. Atualmente temos um número acentuado de pessoas que ao praticarem atividades físicas, o fazem sem orientação e pior entram em overuse.

Diante disso nos deparamos com dores nas pernas de corredores, saltadores e praticantes de atividades de impacto que podem ter várias causas: musculares, tendinosas ou ósseas.

Duas delas, apesar de apresentarem semelhanças clínicas, mostram graus de gravidade bem diferentes. São elas a canelite e a fratura por estresse.

As canelites se localizam  na região posteromedial do terço médio para distal da tíbia, melhorando com o repouso e a dor também piora com o exercício, desaparecendo com o aquecimento e podendo ressurgir no final do treino

A canelite é causada por microtraumas em esforços repetidos no tecido conjuntivo que envolve o osso da tíbia – periósteo. Estas lesões podem  agravar os sintomas ou resultar em uma condição mais grave, a fratura por estresse.

As fraturas por estresse são mais comuns no terço proximal ou distal da tíbia e a dor se intensifica com o exercício, a qual se manifesta  tanto na percussão quanto na palpação óssea.

Acometem pessoas mais jovens como recrutas militares, bailarinos, esportistas (especialmente corredores) que são submetidas a intensa atividade física.. É notadamente mais frequente no sexo feminino.

Os riscos da fratura por estresse são influenciados por vários fatores que são divididos em:

  • Intrínsecos gerais (sexo, idade, etnia e força muscular)
  • Extrínsecos
  • gerais (regime de treinamento, tipo de calçado usado, superfície de treinamento e tipo de esporte)
  • biomecânicos (densidade mineral óssea e geometria do osso)
  • anatômicos (morfologia do pé, discrepância do comprimento da perna e alinhamento do joelho)
  • hormonais (menarca atrasada, distúrbios menstruais e contraceptivos)
  • nutricionais (deficiência de cálcio e vitamina D, desordens alimentares e a tríade da atleta mulher)

Os exames de imagem e ai se incluem as radiografias também são fundamentais para se estabelecer o grau de acometimento e nortear o tratamento.

O tratamento inicialmente se faz a base de crioterapia e fisioterapia clássica , associadas a medicação anti-inflamatória a fim de reduzir a síntese de prostaglandinas e com isso diminuir os efeitos da inflamação; analgésicos, se necessário. Quando o quadro álgico estiver controlado se faz necessário exercícios de fortalecimento e alongamentos de membros inferiores.

O retorno às atividades físicas deve ser feito com cautela e as atividades aquáticas (natação e hidroginástica) e sem impacto são as melhores opções.


23/mar/2020

Uma prática muito utilizada é a aplicação de compressas após situações de dor, seja decorrente de uma, luxação, contusão, hematoma, entorse ou mesmo inflamação. Existem dois tipos de compressas, a fria e a quente, cada uma é específica para determinados casos. Mas você sabe quando utilizá-las na Recuperação Muscular?

Compressa quente, quando usar?

A compressa quente é ideal para realizar o relaxamento muscular e articular. Pode ser usada nos casos de contraturas nas costas, dores crônicas nas articulações e em qualquer região que o paciente se sinta bem com o calor, pois além do relaxamento, promove também a diminuição da dor.

A compressa quente faz os vasos sanguíneos dilatarem, aumentando o fluxo de sangue na região tratada e facilitando a resposta anti-inflamatória.

E a compressa fria?

O gelo é um anti-inflamatório natural por isso, é indicado para amenizar inflamações ou imediatamente após um trauma local. Acidentes que possam causar edemas ou hematomas, como pancadas e torções devem ser tratados com gelo.

A temperatura fria contrai e diminui o fluxo de fluidos, também agindo como um analgésico, por isso funciona bem após lesões que ocorrem nos esportes de impacto.

As compressas de gelo devem ser evitadas em feridas abertas, queimaduras e locais onde a pele é mais sensível (próximo as genitálias, por exemplo).

E que tal ambos?

Existem casos em que a melhor pedida não é adotar extremos de temperatura isolados e sim a combinação de ambos. A terapia chamada contraste usa a aplicação alternada de compressas frias e quentes para contrair e dilatar seguidamente os vasos sanguíneos, aumentando a circulação no local afetado.

É indicada para infecções, distensões, inflamações e dores de cabeça causadas por tensão nervosa ou muscular.

Tome muito cuidado na hora de fazer a sua compressa, pois você pode queimar a sua pele. Coloque sempre um pano entre o gelo e a pele no caso da compressa gelada. No caso da compressa quente, verifique a temperatura da água antes.

É importante não as deixar em contato com a pele por mais de 25 minutos, e fazer sempre um intervalo de no mínimo 2 horas entre cada aplicação.

 

Precisa de ajuda na sua Recuperação Muscular? Entre em contato Conosco…


27/fev/2020

Apesar de serem muito parecidos, o estiramento e a distensão se diferem quanto à sua localização. Mas você sabe qual é a diferença?

Enquanto a primeira se caracteriza pelo alongamento das fibras musculares, a segunda se manifesta no tendão ou áreas adjacentes.

Quais as causas?

As lesões acontecem quando o músculo se estica demais, devido ao esforço excessivo para realizar determinada atividade, podendo levar a ruptura de fibras musculares, do músculo ou do tendão envolvido.

A distensão afeta especificamente os tendões e a junção músculo-tendínea, que são as ligações entre um músculo e um tendão.

Já o estiramento muscular ocorre após o músculo ser alongado além do seu limite, as fibras presentes no músculo sofrem lesões e causam dor e uma sensação de estalido. É comum ocorrer quando há falta de aquecimento e alongamento e o próprio cansaço muscular contribui para o problema.

O que causa o problema?

Isso pode acontecer com movimentos bruscos, algum trauma ou até por você estar executando exercícios de maneira inadequada. Ocorrem com mais frequência na musculatura interna, parte posterior e anterior da coxa e nas panturrilhas, mas também pode acontecer nas costas e nos braços.

A principal queixa do paciente é de dor intensa que se manifesta de forma súbita, sobretudo durante a atividade física. Em alguns casos, esse desconforto pode ser acompanhado de um estalo.

Como funciona a recuperação?

Normalmente, o próprio organismo se encarrega de reparar as fibras musculares que se romperam, absorver o coágulo e controlar a inflamação. Lesões mais graves exigem avaliação médica imediata para excluir a presença de fraturas e evitar sequelas que limitem os movimentos.

Para confirmar o diagnóstico de um estiramento ou de uma distensão pode-se fazer uma ressonância magnética ou ultrassom, além da avaliação dos sintomas pelo médico.

Inicialmente o uso de anti-inflamatórios, por exemplo, é essencial para abrandar as dores. A fisioterapia direcionada ao estiramento ou distensão também é de suma importância para acelerar a recuperação do paciente.

Machucou? Lesionou? Doeu?

Instituto Osmar de Oliveira


particular-1.jpg
18/ago/2018

A tendinite calcária, é um acúmulo de cristais de cálcio em um dos tendões do corpo. As causas desse acúmulo de cálcio ainda são desconhecidas, mas os especialistas concordam que ocorrem devido à pouca circulação sanguínea nos tendões inflamados, onde cristais de cálcio ficam depositados. Outra teoria aceita é de que problemas na tireoide, baixa […]


ciatico.jpg
06/ago/2018

O que é dor ciática? É uma dor contínua que se sente no nervo ciático, que tem início na parte lombar, passa pelas nádegas e termina nas partes baixas das pernas. Essa dor acontece quando esse nervo está inflamado por causa de uma compressão na parte externa, causada pelo deslocamento do disco intervertebral, pela hérnia de […]


postura.jpg
30/jul/2018

As dores causadas pela postura da coluna acontecem de forma frequente com as pessoas de uma forma geral. Essas dores podem atrapalhar na realização das tarefas do dia-a-dia e deixar o corpo cansado. As dores posturais As dores posturais são pequenos descuidos que cometemos com a postura de nossa coluna na realização das tarefas cotidianas. […]


coluna-travada.jpg
26/jul/2018

Por que a coluna vertebral trava? Sentir dor nas costas é algo normal de acontecer. Mas a coluna travar é algo mais sério e a grande questão é saber o que levou a isso. A dor pode ser por causa de alterações nos músculos ou por causa de uma mecânica postural degenerativa. Mas uma crise […]


IOO-Blog-Se-mexer-não-é-fazer-exercicio-1.jpg
29/jun/2018

Embora não ficar parado seja importante, se mexer nem sempre significa realizar exercícios físicos. Afinal, existem algumas diferenças importantes entre atividade física, exercício físico e prática esportiva. Tecnicamente, a atividade física consiste em qualquer contração do músculo esquelético que o faça realizar movimentos corporais ou gastar energia maior do que o nível de repouso. Isso […]


IOO-Facebook-Inverno-1.jpg
13/jun/2018

Com a aproximação do inverno, o frio já bate nas portas do hemisfério sul. Época mais aconchegante e que demanda maior esforço para sair de casa, o inverno tende a ser um fator exponencial para aumentar a ausência das pessoas nas academias, que diminuem a prática de exercícios em um contexto geral. Mas se você […]


instituto
O Instituto Osmar de Oliveira construiu ao longo destes últimos 40 anos uma trajetória de sucesso e profissionalismo, tornando-se referência em São Paulo na área da Ortopedia, Medicina Esportiva e Reabilitação.

R. Dona Germaine Burchard, 332 - Perdizes - São Paulo - SP - CEP 05002-061

Últimos artigos publicados